Reservar
PT · EN

Olissippo News

Artigos
|
21 dez 2020

HISTÓRIA DO NOSSO BOLO QUE É REI


A doçaria portuguesa é, como toda a gastronomia nacional, bastante rica, e a quadra natalícia não é exceção. São muitos os doces consumidos por altura do Natal, uns mais tradicionais que outros e o mais popular é sem dúvida o Bolo Rei.
 



O nome não poderia ser mais acertado. Na mesa de doces de Natal esta iguaria ocupa o lugar central. Surgido na França de Luís XIV, o Gâteau des Rois (Bolo de Reis) celebrava as festas de Ano Novo e o Dia de Reis, e foi trazido para Portugal na segunda metade do século XIX por Baltazar Rodrigues Castanheiro Júnior, herdeiro do fundador da Confeitaria Nacional, a primeira casa a confeccionar o bolo em Portugal. O seu nome aludia originalmente aos três Reis Magos e a sua composição remete para as prendas que estes ofereceram ao Menino Jesus: o tom dourado da côdea simboliza o ouro, o aroma o incenso e as frutas a mirra.
 
Durante muito tempo, o bolo rei escondia a fava ou brinde. Agora já não calha a ninguém comprar o bolo do próximo ano ao receber a fatia com a fava, nem há dentes partidos no brinde de metal. Esta tradição vinha de rituais pagãos: o brinde uma descendência da ideia de encontro com Caronte (o mítico barqueiro de Hades que transporta as almas mortas ao seu destino e exige um pagamento) e a fava da tradição romana de eleger o rei da festa com o sorteio desta planta.
 
O Bolo-Rei continua a ser símbolo máximo da gastronomia desta quadra, e apesar de terem aparecido entretanto variações da receita, o tradicional continua a ter o seu trono assegurado.
 
Afinal, esta foi uma iguaria que passou por dificuldades depois da Revolução Francesa (sendo renomeado Bolo sans-culôtes) e em Portugal, com a implantação da República ganhou outros nomes como Bolo de Natal, Bolo de Ano Novo ou mesmo Bolo Arriaga.
 
Como o seu marido, o Bolo Rainha também vem de França, embora a sua chegada tenha sido muito posterior. Na verdade, só nos últimos anos se tem cimentado o Bolo Rainha como uma tradição natalícia. Para aqueles que não apreciam frutas cristalizadas, este é uma forma de participar da tradição natalícia, uma vez que apenas tem frutos secos.
 

Ver Todas

Mais Notícias

Grupo

MELHORES SALAS DE ESPETÁCULO EM LISBOA


19/11/2021 • Artigos

A cidade de Lisboa é palco de vários concertos, festivais, peças de teatro, bai...

Ler Mais
Grupo

DESCUBRA A LENDA DE SÃO MARTINHO


10/11/2021 • Artigos

O Dia de São Martinho, a 11 de Novembro,  é a celebração que marca o Out...

Ler Mais
Grupo

OS MELHORES MERCADOS E FEIRAS DE LISBOA


29/10/2021 • Artigos

São lugares onde a tradição ainda se mantém viva e, muito provavelmente,...

Ler Mais


Ver +
Melhor Preço Online Garantido